Depois de 3 anos de estudos com o projeto BEST, o Grupo Air France bateu o martelo na escolha dos novos assentos que estarão disponíveis nos A330 e A350 para a sua nova subsidiária, a Boost (para saber mais sobre ela, clique aqui).

A330 

Na classe executiva, a companhia francesa escolheu o EQUINOX®2D da Stelia Aerospace, que é uma subsidiária da Airbus.

A cabine terá 36 assentos, em uma configuração 2-2-2; i.e., a executiva terá 6 fileiras apenas e nem todos os assentos terão acesso ao corredor. Há rumores que a Air France vai instalar um pequeno bar nessa aeronave.

A premium economy contará com 21 assentos, em uma configuração 2-3-2. A cabine contará com algumas modificações, como, por exemplo:

  • os assentos serão 2.5 cm mais largos na base, com um reforço na parte inferior das costas;
  • uma área melhor para o descanso das pernas, com uma distância de 5cm a mais entre as fileiras;
  • inclinação de 7 graus a mais (130 graus no total);
  • um espaço especial para guardar o tablet.

A classe econômica não sofrerá alterações, mantendo as os atuais 167 assentos.

A350

A Air France espera receber seus A350 a partir de 2019. Mas, por incrível que pareça, a empresa escolheu a Zodiac para fornecer os assentos da classe executiva. A Zodiac causou enormes problemas para a American Airlines ao atrasar a entrega dos assentos do B787, que fez a cia americana romper o contrato e acionar a justiça. A United também teve que alterar todo o seu cronograma de operações em virtude do atraso na entrega dos assentos Zodiac.

A Air France escolheu o modelo Optima para a executiva do A350. Esse assento é o mesmo que a United usa na classe Polaris.

Ao contrário dos A330, nos A350 todos os 34 assentos terão acesso ao corredor.

Quanto à premium economy, o único rumor é que a Air France contratou a Recaro para fornecer os assentos. A cabine terá 24 assentos, em uma configuração 2-4-2. Se esse boato for verdade, o único assento para a premium economy que a Recaro oferece atualmente é esse aqui:

De acordo com a Air France-KLM, a Boost será uma companhia aérea direcionada aos “milennials”, os passageiros com cerca de 20 / 30 anos que procuram enfatizar mais o prazer pessoal nas escolhas, inclusive de trabalho.

Para mim, tanto faz a quem a empresa é direcionda: se o preço é bom e o assento também, já é meio caminho andado!