Nessa semana que passou, a IAG (International Airlines Group) – dona da British Airways – apresentou aos acionistas os planos futuros para a cia aérea.

Em relação à classe executiva – a Club World – a British vai investir US$ 500 para melhorar radicalmente a qualidade e apresentação da comida, aumentar a escolha de refeições oferecidas por meio da reserva antecipada online e oferecer travesseiros e cobertores mais sofisticados. Serão construídos novos lounges em Londres Gatwick e Boston, e haverá uma nova área para a 1a classe em Londres Heathrow (fizemos um post sobre ela aqui). A British também está desenvolvendo um novo assento para a classe executiva e não era sem tempo: ao passo que as concorrentes oferecem 4 assentos por fileira, a BA “espreme” os passageiros da executiva em 8 assentos por fileira, o que obriga o passageiro que voa sem acesso ao corredor a, literalmente, passar por cima do outro.

A BA vai introduzir a Club Europe – a “classe executiva” em voos intra-europeus – nos voos domésticos, que não é nada além do bloqueio do assento do meio, com oferta de comida e bebida.

Em relação aos serviços, em geral, a British vai torná-los mais eficientes ao permitir a alteração de voos e manejo de upgrades diretamente pelo passageiro no aplicativo do celular. Além disso, a cia vai iniciar testes com embarque automatizado.

No que diz respeito à “densidade” das aeronaves – um nome bonito para dizerem que vão espremer/amontoar os passageiros – é onde moram as más notícias.

Nos voos de longa distância, 25 dos B777 serão reformados para acomodar 10 passageiros por fileira na econômica – atualmente são 9, o que inclui todos os B777 que saem de Londres Gatwick e alguns de Heathrow. Haverá uma redução nos assentos da executiva de 40 para 32 e o dobro da oferta na econômica premium, de 24 para 48 assentos. Para acomodar a nova configuração, serão removidos 2 banheioros da classe econômica. Tá bom pra vocês?

screenshot-2016-11-07-09-40-50

Já os voos de curta distância serão similares à EasyJet e à Ryanair – lamentável. Os A320 terão um acréscimo de 12 assentos (duas fileiras) e 13 assentos adicionais serão instalados nos A319. Vai ser impossível trabalhar com um computador se o passageiro da frente reclinar o assento.

Resumindo: a situação tende a ficar muito precária para os viajantes de classe econômica, especialmente em voos de longa distância. Se não fosse a legislação proibindo os passageiros de viajarem em pé, certamente estaríamos caminhando nessa direção.