O Lucky Schlappig do blog One Mile at a Time escreveu um post sobre a negativa de acesso às salas VIP do Priority Pass por conta da superlotação das salas VIP.

É verdade que, a cada dia que passa, mais pessoas têm acesso às salas VIP do Priority Pass (e do Lounge Key), seja por meio de assinatura direta ou convênio dos cartões de crédito, inclusive com direito a acompanhantes.

Entretanto, todos os lounges se reservam o direito de negar o acesso ao lounge quando este está cheio:

Nos termos de serviço do Priority Pass consta a possibilidade de restrição de uso (clique aqui para acessar):

A pergunta é: o Priority Pass pode fazer isso? A resposta é complexa em termos de legislação nacional.

Aqueles que tiverem acesso ao Priority Pass por conta do cartão de crédito podem, em tese, reclamar o direito de acesso se a limitação não constar na publicidade no contrato com a administradora do cartão. A questão aqui é fazer prova de que o consumidor esteve no lounge e este negou o acesso.

Já os consumidores que se associaram diretamente via site do Priority Pass ficam em situação mais complicada. Ainda que se alegue que essa cláusula é abusiva, pois confere ao PP e à sala VIP a total discricionariedade do cumprimento do contrato, o Priority Pass não é empresa com CNPJ no Brasil, o que torna quase impossível acionar o PP judicialmente aqui.

Alguém já teve acesso negado pelo Priority Pass?