E o destino de hoje é a maravilhosa Paris! Eu sempre falo para quem nunca viajou ao exterior: comece por Paris, pois é dali que você tira a medida para qualquer outra cidade do mundo ocidental.

Os bairros de Paris são os “arrondissements” e a cidade tem 20 deles. Eles são conhecidos por números pelos parisienses e a numeração é estabelecida em formato de caracol.

A cidade é dividida pelo rio Sena, e os bairros acima ficam na Rive Droite, enquanto que os bairros abaixo ficam na Rive Gauche.

Mas para facilitar a vida daqueles que não moram lá, há regiões que são conhecidas pelo nome.

Eu vou comentar os arrondissements de 1 – 11 que são os mais centrais, e também vou falar do 14, pois abriga Montparnasse e, por fim, vou fechar com o 18, Montmartre.

1er Arrondissement

Aqui fica o Museu do Louvre e o jardim das Tuilleries, além do Palais Royal. Nessa área também há o famoso Faubourg Saint Honoré, uma rua com lojas de altíssimo luxo. Não deixe de visitar a Place Vendôme, a Saint Chapelle e o Musée de L’Orangerie. O Forum Les Halles, um enorme shopping center e estação de metrô e do RER também fica aqui. Para compras, também não deixe de dar uma passada na Rue de Rivoli e na loja de departamento La Samaritaine.

2ème Arrondissement

Aqui fica a parte mais comercial da cidade e não é muito comum as pessoas ficarem hospedadas nessa área. Os pontos mais conhecidos são a Bolsa de Valores e a Biblioteca Nacional da França.

3ème e 4ème Arrondissement

Esses bairros formam o Marais – na verdade, o 3ème é o Haute Marais (Alto Marais) e o 4ème é o verdadeiro Marais.  É uma área excelente para ficar para quem gosta de movimento.  A Catedral de Notre Dame,  a Place de la Bastille e a Place des Vosges ficam no 4ème. Aliás, o bairro é lotado de praças e vielas, bares  e restaurantes de todos os tipos. A sua rua mais famosa é a Rue Vieille du Temple. Para quem ama as artes, há o Museu Carnavalet e o Centre Pompidou. Eclético, diverso, enclave judaico e o bairro mais gay-friendly da cidade, o Marais é uma das áreas mais pulsantes de Paris.

5ème Arrondissement

Já do lado esquerdo do rio Sena, na Rive Gauche, no 5ème há o Quartier Latin. O Quartier Latin abriga a Sorbonne e, portanto, é um bairro com muitas livrarias e sebos, e tem também bares informais onde os estudantes vão relaxar à noite. A famosa Rue de Mouffetard fica aqui, mas evite os restaurantes da área que são iscas para turistas: mais caros que a média e com a comida de qualidade inferior. O Panteão e o Instituto do Mundo Árabe ficam aqui.

6ème Arrondissement

Ao lado do Quartier Latin, o 6ème é conhecido como St Germain des Prés, um dos bairros mais nobres e luxuosos da cidade. St Germain é o lugar para se ficar na Rive Gauche, apesar dos preços salgados. A região é cheia de bistrôs, galerias de arte, pequenas livrarias e igrejas seculares – não deixe de visitar a St Sulpice. Os famosíssimos Café de Flore e Les Deux Magots ficam em esquinas próximas e vale a pena tomar um café onde Sartre e Simone de Bouvoir passavam as tardes e apreciar o movimento da rua. É lá que também fica o imperdível Jardin du Luxembourg, um dos meus lugares favoritos na cidade. Compre uma toalha de mesa bem barata, vá a um supermercado e compre queijos, embutidos e vinho (não se esqueça de copos, pratos e talheres de plástico). Depois, passe numa padaria e compre um pão. Siga para o Jardin e faça um belo picnic por lá!

7ème Arrondissement

O 7ème é um bairro grande: abriga os Invalides, École Militaire,  Champs de Mars, Torre Eiffeil, Musée D’Orsay e Musée du Quay Branly, dentre outros. Apesar das inúmeras atrações turísticas, não é um lugar muito popular em termos de hospedagem, até por que as atrações são muito distantes uma das outras e não há muitos restaurantes ou bares nessa região.

8ème Arrondissement

Voltando para a Rive Droite, o 8ème é a sede do governo (Palais de L’Élysée) casa do Champs Élysées. Só ele já é uma atração e tanto. A rua principal da área fica lotadíssima de turistas, com suas inúmeras lojas gigantescas como a Sephora, por exemplo. Aqui ficam dois importantes museus de Paris: o Grand e o Petit Palais. Na sua extremidade fica o Arco do Triumfo.

9ème Arrondissement

Altamente popular, o 9ème, chamado de Opéra, abriga a Opéra Garnier e os grandes boulevards. Aqui também fica o Folies Bergère, a famosa casa de espetáculos Olympia e o Musée Grevin. Para compras, não deixe de ir às Galeries Lafayette e à loja de departamento Printemps. Fica na divisa com Montmartre.

10ème Arrondissement

Conhecido como Republique, no 10ème ficam duas das principais estações de trem de Paris: a Gare du Nord e a Gare de L’Est. O bairro não é conhecido por nenhuma atração mais chamativa e não é um bairro dos mais turísticos da cidade.

11e Arrondissement

A Bastille, apesar de pouco turística, foi palco dos acontecimentos históricos que mais tiveram impacto no mundo ocidental. Hoje, é o bairro com a maior densidade populacional de Paris e abriga a Opéra Bastille. Os parisienses dizem que aqui é um dos bairros em que se encontra a Paris autêntica. Então, se você quer viver uma experiência verdadeiramente parisiense, dê uma olhada no airbnb e alugue um apartamento aqui.

14e Arrondissement

O 14e é o bairro de Montparnasse, ideal para quem não quer gastar muito dinheiro com a hospedagem e ficar na Rive Gauche. É obrigatória uma refeição no La Coupole, no Boulevard du Montparnasse, restaurante que, nos anos 20, era frequentado por Pablo Picasso, Ernest Hemingway, Francis Scott Fitzgerald e Gertrude Stein, a nata boêmia e artística que tanto nos presenteou com obras importantíssimas. O bairro também abriga a Tour Montparnasse, que tem um shopping com uma filial da Galeries Lafayette, e, no seu subsolo, abriga uma das mais importantes estações de trem da cidade. Do Blvd du Montparnasse você chega ao Jardin du Luxembourg pela simpaticíssima Rue Vavin. Ou se preferir ir para St Germain, desça a Rue de Rennes, que tem ótimo comércio.

18e Arrondissement

De volta à Rive Droite, chegamos na terra de Amélie Poulain: Montmartre, portanto, é um dos bairros mais turísticos de Paris. Montmartre é uma antiga cidade que, aos poucos, foi sendo engolida por Paris. Daí a sua atmosfera de cidade pequena (se você conseguir abstrair os milhares de turistas que andam por lá diariamente). A Place du Tertre é cheia de artistas de rua que fazem pinturas dos turistas. Dos seus monumentos, o mais conhecido é a Basílica de Sacré-Coeur. Pigalle, por sua vez, é um dos seus pontos nevrálgicos com seus sex-shops, bares, restaurantes e cabarés, como o Moulin Rouge. Quem se hospeda em Montmartre deve ter uma ótima forma física, pois é um bairro com muitas ladeiras íngremes.

Espero que esse post tenha dado uma ideia geral de Paris para vocês. Se quiserem dicas, não se acanhem e comentem!