Algumas cias aéreas preferem atuar de modo independente, sem recorrer às alianças. Aqui somente vou tratar das cias aéreas que atuam no Brasil, por motivos óbvios. Há o programa da Alaska Airlines, mas vou deixá-lo para depois, porque tô muito desconfiada que ele vai mudar em breve, ok?

Bom, pra nós índios, a gente tem que falar, em primeiríssimo lugar, da GOL. Depois a gente fala da Emirates e da Etihad.

 

1 – GOL

Apesar de não pertencer a qualquer aliança, a GOL tem parcerias com diversas cias aéreas, de diversas alianças:

parceiras

Ou seja, quando você se inscreve no Smiles, o programa da GOL, você pode pontuar voando GOL e em qualquer outra companhia da tabela acima, assim como você pode emitir bilhetes-prêmio em qualquer dessas cias com as milhas Smiles. Há três grandes vantagens no Smiles:

  • liberdade de viajar em cias que não pertencem a uma mesma aliança;
  • a busca e emissão dos bilhetes-prêmios com as cias parceiras pode ser feita no próprio site e é bem fácil de fazer, e
  • a maioria dos cartões de crédito dos grandes bancos brasileiros permite a transferência de pontos dos programas dos cartões para o Smiles.

Mas o Smiles também tem desvantagens:

  • houve um baque na credibilidade do programa, quando houve uma enorme desvalorização das milhas, ou seja, hoje são necessárias muito, mas muito mais milhas para emitir um bilhete-prêmio do que há um ano atrás;
  • em virtude dessa desvalorização, só é vantajosa a transferência de milhas do cartão de crédito para o Smiles ou até mesmo a compra das milhas se vai emitir o bilhete imediatamente, caso contrário, você pode ser surpreendido com uma nova desvalorização e ficar com um mico na mão, e
  • o Smiles não emite mais bilhetes de primeira classe na Qatar e na Etihad, que estão entre as melhores 1a classe do mundo. Uma pena.

 

2 – AZUL

A Azul é outra cia aérea brasileira que preferiu ficar de fora das alianças, pelo menos até agora. Há uma expectativa que ela vá se filiar a Star Alliance, por conta da compra de 40% da TAP em março de 2016.

O Tudo Azul é o mais limitado dos programas de cias aéreas brasileiras. Isso por que ele não tem qualquer acordo com outras cias aéreas, exceto a TAP e a United, suas únicas parceiras. Por conta disso, não vamos nos alongar aqui pra falar do Tudo Azul. Você vai poder encontrar mais informações aqui.

 

3 – EMIRATES

A Emirates é, reconhecidamente, uma das melhores cias aéreas do mundo. Ela faz parte do “trio de ouro” do Oriente Médio juntamente com a Qatar e a Etihad. O serviço dessas cias é excepcional. A distinguir a Emirates das outras, a frota de A380 da Emirates é a maior do mundo. Então, ao emitir um bilhete de 1a classe em um A380, você poderá tomar um banho a 10 mil metros de altura e, depois, dar uma relaxada no bar a bordo. Sim, chuveiro. Sim, bar.

Bom aqui estão os parceiros da Emirates:

Air Mauritius

Alaska Airlines easyJet Japan Airlines (JAL)
Jet Airways JetBlue JetStar

Korean Air

Malaysia Airlines

Qantas S7 Airlines

South African Airways

TAP Portugal Virgin America

 

Assim como o Smiles, o Emirates Skywards tem uma boa variedade de parceiros de diversas alianças. Entretanto, nem todos voam para o Brasil, o que pode ser visto como desvantagem. Objetivamente, como há poucos parceiros para efetivamente emitir uma passagem daqui do Brasil, fica difícil de pontuar. Vejam, dos 14 parceiros, somente a TAP e a South African voam para o Brasil.

Vocês podem argumentar que não seria improvável comprar uma passagem pela easyJet ou a JetBlue, mas aí a voz da razão vos fala: como elas são cias de baixo custo, as milhas que a gente pode ganhar são uma gota num oceano.

É mais interessante fazer o contrário: se associar ao TAP Victoria – que não considero um bom programa dentro da Star Alliance – voar pela TAP e pelas cias da Star Alliance e, com as milhas acumuladas, emitir uma passagem para voar Emirates.

 

4 – ETIHAD

Outra cia best of the best, a Etihad revolucionou o conceito de primeira classe, ao introduzir o The Residence na 1a classe do A380, que é uma “residência” que tem cama e banheiro privativos. Há também o The Apartment, que também é infinitamente superior a qualquer outro produto de 1a classe. Vou botar fotos da minha experiência no The Apartment aqui.

Enfim, a Etihad também voa sozinha, sem vinculação com alianças. As suas parceiras são:

Air New Zealand

Air Serbia Air Seychelles

airberlin

Alitalia

ANA (All Nippon Airways) American Airlines

Asiana Airlines

Bangkok Airways

Brussels Airlines Czech Airlines

Etihad Regional

Garuda Indonesia

GOL Hainan Airlines

Jet Airways

Korean Air

Malaysia Airlines Oman Air

Phillipine Airlines

Royal Air Maroc

South African Airways Sri Lankan Airlines

Ukraine Int’l Airlines

Virgin Australia

Como é o caso com a Emirates Skywards, o Etihad Guest Miles não é um programa que oferece tantas vantagens para nós aqui no Brasil, exceto se você voa para o Oriente Médio com frequência. É muito mais interessante usar as milhas acumuladas no Smiles da GOL ou no AAdvantage da American Airlines para emitir uma passagem pela Etihad.

Uma observação: o Smiles exige uma quantidade obscena de milhas para emitir bilhetes-prêmio pela Etihad e não emite 1a classe. É, no mínimo, o dobro do que exige para a Qatar Airways que é tão boa ou melhor do que a Etihad em muitos aspectos.

O grande pulo do gato em relação à Etihad é emitir com as milhas acumuladas no AAdvantage da American Airlines. A tabela da AA é bem generosa: por exemplo, se você pegar uma dessas passagens promocionais do Brasil pra Londres por R$ 2.000,00, de Londres ao Oriente Médio pela Etihad, você vai precisar de 62.500 milhas por trecho para voar em no The Apartment (125.000 ida e volta) ou 42.500 milhas por trecho (85.000 ida e volta) para voar na executiva – que também é muito boa.

Se você quiser saber mais sobre programas de milhagem de cias específicas, dá uma olhada aqui.