Há quase um ano atrás, eu publiquei um post sobre a possibilidade de a China Southern se filiar à Oneworld.  Eu teci os seguintes comentários à época:

Fato 1: A Oneworld não tem uma companhia chinesa que faça voos domésticos. Tem a Cathay, que liga apenas Hong Kong às demais cidades chinesas.

Fato 2: A American Airlines recentemente investiu USD 200 milhões para adquirir 2.76% da China Southern.

Fato 3: A Delta, que é quem é a “dona” do Skyteam, investiu na China Eastern e relegou a China Southern, a maior companhia chinesa, a um segundo lugar na preferência de codeshares na China continental.

Esses fatos justificam uma eventual saída da China Southern da Skyteam para a Oneworld, onde daria vazão a codeshares da American como das europeias que voam para a Ásia (Finnair, British, Iberia) e também a Qatar.

O dia em que a China Southern finalmente anunciou sua saída da Skyteam chegou. Entretanto, a empresa não fez qualquer menção a uma possível filiação à Oneworld.

Agora, e se a China Southern entrar na Oneworld? Como isso impactaria a Cathay Pacific? A entrada da China Southern na Oneworld poderia significar a saída da Cathay?

A Air China é a segunda maior investidora da Cathay Pacific que, por sua vez, firmou parcerias recentes com a Air Canada e com a Lufthansa. A sede da China Southern é em Guangzhou, que é pertíssimo de Hong Kong, competindo diretamente com as rotas da Cathay.

Mas a única empresa da Oneworld que voa para Guangzhou é a Qatar e só aí faria sentido pegar uma conexão com a China Southern para o resto da China. As demais companhias – British, Finnair, American, Royal Jordanian – tem Hong Kong como porto de chegada e saída da China. Para que pegar o trem  para Guangzhou e de lá fazer uma conexão?

Sem contar com o seguinte: a Cathay Pacific é uma das melhores companhias aéreas  do mundo, enquanto a China Southern é um desastre, segundo avaliações de blogs americanos. Não faria o menor sentido em termos de qualidade. Eu sei que o buraco não é sobre qualidade, mas é financeiro. Mas não podemos esquecer que, recentemente, a Qatar comprou parte da Cathay.

Mas a Cathay na Star Alliance seria mais uma companhia a oferecer voos na Ásia em uma aliança em não falta voos na Ásia: Thai, Singapore Airlines, Air China, Asiana, ANA. Isso sem contar com a Shenzen, que fica a 40 km de Hong Kong e cuja frota é maior do que a da Cathay.

Bom, esse é um jogo de xadrez em que, aparentemente, está mais para a China Southern migrar para a Oneworld, do que a Cathay Pacific aderir à Star Alliance. Vamos aguardar desdobramentos.

Ah, e em junho de 2017, eu publiquei um post sobre o interesse da China Southern em expandir suas rotas para o Brasil (clique aqui para ler).