Dica preciosíssima do leitor Raul que, antecipadamente agradeço. Em 16 de dezembro, o presidente da Smiles fez a seguinte declaração em entrevista à Época Negócios:

“Atualmente, a Smiles tem acesso apenas aos assentos que essas companhias destinam a programas de recompensas, os chamados rewards. A partir de janeiro, poderá oferecer passagens comerciais”.

Ou seja, temos passagens rewards e passagens comerciais. Como elas são diferenciadas?

As passagens comerciais aparecem assim:

Quando você clica nas 72.500 milhas, aparece o resumo do pedido. Vejam que há uma taxa cobrada pela companhia aérea de R$ 320,87 (creio que seja o YQ de USD 100) e a taxa de embarque, totalizando R$ 430,43.

Nele também, há um link para as regras tarifárias, na parte inferior.

Clicando nas regras tarifárias, é possível ver que não há franquia de bagagem e o participante deve entrar em contato com a companhia aérea para tratar disso. Ou seja, quem quiser despachar bagagem, vai pagar mais. Além disso, não é permitido o cancelamento/reembolso dessa passagem. Se o passageiro não for mais viajar por qualquer motivo, vai perder todas as milhas gastas na emissão do bilhete.

Já as passagens reward têm o selo Viaje Fácil (que permite emissão sem milhas) no canto inferior esquerdo, abaixo do logo da companhia aérea:

Ao selecionar as 75.000 milhas, a tela com o resumo do pedido diferente da outra tela: não há taxa da companhia aérea, só a taxa de embarque, que custa R$ 136,00!

Além disso, as regras tarifárias também são diferentes. É permitida 1 peça de bagagem e a passagem pode ser cancelamento mediante a taxa de R$ 250,00.

Agora vamos ver com a Delta. Só achei passagens comerciais nas datas que procurei, ou seja: não há mais passagens rewards com a Delta na Smiles. 

OBS: Parece que há passagens rewards Delta se a origem e o destino forem fora do Brasil.

Agora vejam as regras tarifárias: são USD 300 dólares para cancelar a passagem e receber o reembolso das milhas!!!!

Pelo que pesquisei, somente a TAP e a Delta estão neste esquema, mas nada garante que, em um futuro próximo, isso não seja negociado com outras parceiras.

CONCLUSÃO

OBS: Já há um post complementando esse aqui, com notícias atualizadas sobre essas passagens (clique aqui para ler).

A Smiles fez uma alteração ao incluir passagens comerciais e não comunicou aos clientes. Alguém aqui recebeu algum email avisando e explicando essas diferenças?

Tampouco há essa explicação no site. Ou seja, transparência zero, respeito aos clientes zero.

Eu mesma publiquei um post sobre essas passagens que não permitem cancelamento no final de dezembro (clique aqui para ler), mas não estava sabendo a real natureza delas.

De programa de fidelidade, a Smiles agora também serve como OTA (online travel agency) e cobra, em milhas, o que a empresa aérea cobra em reais, mas que dá milhas para os passageiros frequentes.

Mas vejam só como não há qualquer vantagem nisso: na emissão de passagens comerciais com milhas Smiles, você gasta milhas (que valem dinheiro) mas não ganha milhas, e ainda tem que pagar todas as taxas – afinal, são passagens comerciais.

OBS: Dois leitores acreditam que os passageiros podem acumular milhas com essas emissões, justamente por elas serem comerciais. Com a TAP é fácil fazer as contas, porque o acúmulo é uma porcentagem da distância, em milhas, entre o ponto de origem e destino. Mas com a Delta, as milhas acumuladas dependem do gasto em USD com a passagem e aqui a moeda é a milha. Não sei como isso seria resolvido. De qualquer modo: emitindo passagens comerciais com milhas Smiles, é possível ganhar milhas na Smiles? Eu acho que não … Mas emitindo em dinheiro com a TAP, o cliente pode escolher entre pontuar na TAP ou na Smiles. De qualquer modo, esse não é o foco do post, não é mesmo?

É possível comprar 30.000 milhas com 150% de bônus para conseguir as 75.000 milhas necessárias para essa emissão de passagem comercial (é um pouco menos, mas estou arrendondando). Isso sai por R$ 2.100,00 somente a ida! Ida e volta saem por incríveis R$ 4.200,00 mais taxas, que vai bater a casa dos R$ 5.000,00. Vale mais a pena pegar esse dinheiro e comprar diretamente na TAP ou em outra companhia aérea por um valor bem mais acessível.

Se a Smiles estender esse acordo com as demais companhias parceiras, será o fim do programa.

Mais uma vez, agradeço demais ao Raul a informação que está neste post.

Para ler a íntegra da entrevista do presidente da Smiles, clique aqui.