Fui de Veneza a Paris na classe executiva do A320 da Air France. Emiti o bilhete com 50.000 milhas Smiles – não havia disponibilidade em econômica para esse trecho no dia que eu queria. Como alguns sabem, eu não me importo em emitir classe econômica para trechos curtos.

A configuração é aquela típica das cias europeias para voos de curta distância: a única diferença entre executiva e econômica é o assento do meio bloqueado.

AF business class VCE – CDG A320 mai 2018

No mais, os assentos são idênticos em tudo.

AF business class VCE – CDG A320 mai 2018

AF business class VCE – CDG A320 mai 2018

O espaço para as pernas é bem limitado e o assento não conta com nenhum tipo de entretenimento. Aliás, ele sequer reclina.

AF business class VCE – CDG A320 mai 2018

AF business class VCE – CDG A320 mai 2018

Logo após a decolagem, a comissária distribuiu toalhinhas úmidas – de ótima qualidade, por sinal, e uma garrafa d’água. Aliás, a executiva estava lotada.

AF business class VCE – CDG A320 mai 2018

AF business class VCE – CDG A320 mai 2018

O voo era na parte da tarde e foi oferecido um lanche, acompanhado de bebidas variadas.

De salgado, havia um sanduíche, vegetais crus com molho e um pão coberto de queijo e manteiga. De sobremesa, três tipos de doces: doce de maçã, um bolinho coberto com açúcar e uma bomba com recheio de caramelo.

AF business class VCE – CDG A320 mai 2018

AF business class VCE – CDG A320 mai 2018

AF business class VCE – CDG A320 mai 2018

AF business class VCE – CDG A320 mai 2018

AF business class VCE – CDG A320 mai 2018

AF business class VCE – CDG A320 mai 2018

AF business class VCE – CDG A320 mai 2018

Para um voo de 1h20 mins de duração no meio da tarde, a refeição foi mais do que suficiente. Só achei que havia doce demais para salgado de menos – mas aí é uma questão de gosto pessoal.

Na minha experiência, os lanches dos voos da tarde são bem inferiores às demais refeições. (clique aqui para ler um trip report da mesma Air France entre Genebra e Paris na classe executiva). Tive a mesma impressão quando voei com a Lufthansa entre Munique e Milão no ano passado (clique aqui para ler).

Acho que esse tipo de serviço poderia ser oferecido aqui no Brasil, como eu já comentei antes. Dá um diferencial para passageiros que se dispõem a pagar mais e não compromete a configuração da cabine.