Antes de escrever a segunda parte do tutorial sobre o ExpertFlyer, decidi escrever outro post, dividido em duas partes, para facilitar a compreensão das informações que são fornecidas pelo site. A primeira trata dos aspectos básicos das tarifas aéreas e a segunda vai tratar das classes tarifárias.

Aspectos Básicos das Tarifas Aéreas

Então, vamos começar falando sobre as tarifas aéreas. As tarifas são um complexo de fatores que, juntos, determinam o preço final de um bilhete aéreo. O melhor lugar para ver a composição desses fatores é no ITA Matrix (clique aqui para acessar o site). Como exemplo, uma passagem São Paulo – Lisboa pela TAP.

No primeiro quadrado vermelho, está o itinerário, número do voo, hora da partida e chegada, aeronave, cabine (economy) e classe tarifária (T para a ida e E para a volta). A classe tarifária será tema da próxima parte.

O que nos interessa sobre as tarifas está no segundo quadrado vermelho, que é a composição da tarifa. Fare 1 é a ida (custa R$ 1.036,62) e Fare 2 é a volta (R$ 1.122,13). Além do preço da passagem em si, incidem no preço final, a taxa de embarque brasileira (R$ 114,97), a inacreditável taxa de combustível que a TAP está cobrando (YQ) (R$ 656,22), a taxa se serviço de Portugal (R$ 74,61) e a taxa de segurança de Portugal (R$ 31,60). Somadas as taxas ao custo da empresa, o total sai a R$ 3.036,36.

Aspectos Básicos das Classes Tarifárias

Agora, vamos falar das classes tarifárias, que é algo que a gente tem que ter uma noção para poder manejar o ExpertFlyer de modo mais eficiente.

A primeira coisa que tem que ser ressaltada é que classe tarifária não pode ser confundida com classe de serviço, que é a cabine em que o passageiro vai voar. As classes de serviço normalmente são primeira, executiva, econômica premium e econômica. Mas algumas companhias aéreas fazem marketing dando nomes diferentes, como a Etihad que tem o The Residence e os The Apartment nos seus A380, ou como a Delta chama a sua econômica premium de Delta Premium Select.

Outra coisa é a classe tarifária, que é representada por uma letra. Vamos ao mesmo exemplo anterior. A cabine é econômica na ida e na volta, mas a classe tarifária é diferente. Na ida é T e na volta é E. Lá em Fare 1, a gente consegue visualizar a classe tarifária completa (que é chamada de base tarifária) da ida e na Fare 2, a da volta. Percebam que a classe tarifária é sempre a primeira letra da base tarifária.

E por que é importante saber a classe tarifária? Quando uma companhia aérea disponibiliza um voo, ela especifica um determinado número de assentos para cada classe tarifária. Ou seja, na cabine econômica – como na executiva e na first – você pode ter diferentes classes tarifárias. Isso quer dizer que você pode ter pago R$ 3.000,00 por uma passagem e o seu vizinho de assento ter pago R$ 4.000,00 pela mesmíssima passagem. Isso por que cada classe tarifária tem um preço diferente.

A regra geral é que as classes tarifárias mais baratas tenham um número mais limitados de assentos disponíveis. É por isso que você pode achar um preço de uma passagem em um momento e 10 minutos depois esse preço pode ter aumentado. Provavelmente, alguém comprou os últimos assentos daquela classe tarifária daquele voo que você estava pesquisando. Isso é muito comum de acontecer em passagens promocionais.

No exemplo dado, a classe T da TAP é mais barata (R$ 1.036,82) do que a classe E (R$ 1.122,13). Provavelmente, para o voo de volta a classe T já estava esgotada.

Também há as classes tarifárias especiais, que são aquelas que, por exemplo, indicam que o bilhete foi adquirido com milhas, que foi concedido um upgrade, que é um bilhete emitido para funcionário da companhia aérea etc.

Um dado importante é que as diferentes classes tarifárias significam diferentes regras dos bilhetes, especialmente quanto à data limite da compra, às datas de partida e chegada permitidas, possibilidade ou não de stopover e/ou open jaw e se há adicional de preço para isso, diferentes valores ou inexistência de multa em caso de alteração ou cancelamento do bilhete etc. Isso merece outro post, que elaborarei em breve. Por enquanto esse aqui vai servir para o próximo post do tutorial do ExpertFlyer.

Agora, é fundamental que se compreenda o seguinte: cada companhia aérea tem as suas próprias classes tarifárias, apesar de haver um movimento no sentido de unificação dessas classes dentro das alianças.

Por exemplo, a tarifa P na Star Alliance é a executiva com um mega desconto. Tanto que, dependendo da companhia aérea emissora, como a Ethiopian, por exemplo, só pontua no próprio programa da Ethiopian e no programa Air China. Então, comprar uma executiva P na Ethiopian não vale muito a pena em termos de acúmulo de milhas em outros programas da Star Alliance.

Mas há uma certa padronização nas chamadas tarifas cheias (full fares), geralmente as mais flexíveis e caras de classe de serviço: A e F para a primeira classe, J e C para executiva, Y e B para econômica.

Então, é impossível dizer nesse post qual é a tarifa G da companhia H. Isso deve ser pesquisado por cada um, dependendo do seu interesse.

Fare Information no ExpertFlyer

A fare information é a informação de tarifa que é possível ser vista no ExpertFlyer. Escolhi a mesma rota, mas com datas diferentes. Veja que o ExpertFlyer pede a “purchasing city”, ou a cidade de compra. Isso por que o preço pode variar de um país para outro.

Há companhias aéreas que permitem que você compre no site de um país estrangeiro, mas muitas determinam que a passagem somente pode ser adquirida no site do país da cidade de partida – como a British Airways, Iberia e Air France, por exemplo. Mas outras permitem a compra em qualquer site, o que às vezes, pode sair mais barato.

Vejam como aparece o resultado da pesquisa: fare basis (base tarifária) e booking class (classe tarifária). A base tarifária inicia com a mesma letra da classe tarifária. A cabin (cabine) é E de econômica e só pedi para mostrar 20 resultados por página, mas nada me impede de colocar até 100.

No canto direito há “legend“: e view rules (ver as regras), view routing (ver a rota) e view booking class (ver classe de reserva – em outra companhia aérea vendendo esse trecho).

As regras serão tratadas em outro post, mas é interessante vocês darem uma olhada na pesquisa do voo de interesse de vocês.

A rota é interessante mostrar aqui. Como exemplo, a da primeira linha, classe O, a mais barata. Além de mostrar que a rota é via Oceano Atlântico, também mostra que é possível ser São Paulo – Porto – Lisboa ou São Paulo – Lisboa, dependendo do dia da compra e da partida.

Espero que o post tenha sido útil e que vocês estejam mais bem preparados para o próximo post do ExpertFlyer.