Hoje o dia está complicado para as Aviancas. A Avianca Brasil eliminou os voos dos aeroportos do RioGaleão, Petrolina e Belém, além de cancelar 21 rotas.

São elas:

Aracaju-Salvador
Belém-Guarulhos
Brasília-Cuiabá
Brasília-Fortaleza
Brasília- Galeão
Brasília-Maceió
Brasília-Salvador
Florianópolis-Galeão
Fortaleza-Bogotá
Fortaleza-Galeão
Galeão-Foz do Iguaçu
Galeão-João Pessoa
Galeão-Natal
Galeão-Porto Alegre
Galeão-Salvador
Guarulhos-Galeão
Maceió-Salvador
Petrolina-Recife
Petrolina-Salvador
Recife- Salvador
Salvador-Bogotá

Com vistas à sua recuperação judicial, a Avianca permanece com 32 rotas, operando com 26 aeronaves (todas Airbus), em 23 cidades brasileiras.

O cancelamento da rota Galeão-Guarulhos terá um impacto imenso no escoamento de passageiros cariocas nas companhias Star Alliance que só operam em São Paulo, tais como SWISS, Turkish e Ethiopian.

Quando voltei de Frankfurt para o Rio agora no início de março, os passageiros que seguiriam em conexões domésticas estavam todos alocados em voos da LATAM, com quem a Lufthansa ainda tem parceria. A SWISS faz parte do grupo Lufthansa, mas a Turkish e a Ethiopian, não.

A própria TAP só mostra voos saindo do Rio com conexão em São Paulo operados pela Azul ou pela GOL.

Além disso, nesses últimos dias foi anunciada a saída de Fabricio Angelin do Amigo para a Multiplus.

Recentecemente, em um voo da Azul, conversei longamente com um piloto da empresa (Azul) e ele acha que é plenamente viável a sobrevivência da Avianca com poucas aeronaves.

Para nós, milheiros, a grande questão é: e a Star Alliance?