Deu no OMAAT e no VFTW: a British Airways anunciou mudanças nas suas cabines, sendo as mais impactantes na executiva e na primeira classe. O anúncio foi feito no Capital Markets Day (clique aqui para acessar), que é a apresentação para os acionistas do grupo IAG, que abriga a British Airways, Ibeira, Aer Lingus, Iberia Express, Vueling e LEVEL.

O CEO da British Airways, Alex Cruz, foi responsável pela apresentação da empresa  e deu informações importantes.

A nova business class será instalada nos A350 e a primeira aeronave chega em Julho de 2019, com expectativa de que, ao fim de 2019, os novos assentos estarão instalados em 4 A350 – que não terão primeira classe – e em 2 B777. Os retrofits serão acelerados a partir de 2020.

Segundo a apresentação,  todos os assentos serão mais largos e terão acesso ao corredor. Eles também terão mais privacidade e maior espaço para guardar pertences.

A apresentação menciona “a new generation seat”, o que dá margem para muitas interpretações. Alguns blogueiros apostam em um assento parecido com a business da Iberia – mas daí não seria uma nova geração de assentos, a meu ver. Mas como essas apresentações tendem a ser hiperbólicas, essa hipótese não é de todo impossível.

O entretenimento funcionará gate-to-gate, e o wifi estará instalado em todas as aeronaves que operam voos de curta distância e 80% dos voos de longa distância até o final de 2019.

Para a primeira classe, as cabines vão variar entre 8 e 14 assentos e o produto terá um upgrade – tudo muito vago …

A premium economy também passará por reformulações: ela será ampliada, e também serão instalados novos assentos com um novo sistema de entretenimento.

Para a econômica, as notícias não são boas: haverá um aumento de assentos via “configuração competitiva”, que é um modo gourmetizado de falar que as pessoas serão ainda mais espremidas a bordo.

Alex Cruz também teceu comentários em relação ao catering e aos lounges.

A British Airways contratou a DO & CO, a mesma da Turkish e da Austrian, para o catering da companhia a partir de 2020. Até lá, a empresa vem investindo em melhoramentos para os passageiros premium. O Ben do OMAAT até escreveu dois posts comentando sobre a experiência dele recente na executiva da BA (clique aqui e aqui para ler).

Para 2019, a previsão é de nova comida e amenities para a first a partir de maio. A premium economy também terá um upgrade no catering e no soft product no Q1. Para o pessoal da econômica, o Alex Cruz foi igualmente econômico: melhorias. Agora, quais seriam elas, a gente ficou sem saber …

Quanto aos lounges, a BA vai abrir Club Lounges em JFK (não entendi, porque já há um lounge exclusivo da BA em ambos os aeroportos de Nova York), em San Francisco, Johannesbourg e Genebra.

Para finalizar, alguns pontos de interesse sobre as tecnologias que estão sendo exploradas e testadas.

Em primeiro lugar, a automação do processo de emissão de novos bilhetes, assim como de reserva em hotéis no caso “disruption”( = atraso e cancelamento de voos).

Em segundo lugar, a empresa está testando carregamento sem fio personalizado nos lounges do T5 e rastreamento de bagagens.

Já tem um tempo que não viajo na executiva da British, que deixa muito a desejar em termos de hard product. Está mais do que na hora de a empresa oferecer um produto competitivo. Afinal, ela foi a pioneira em instalar assentos-cama há alguns anos atrás, mas até hoje mantém a configuração 2-4-2 na executiva, o que está bem abaixo das concorrentes.