A terrível história do dia nas redes sociais trata da morte de um cãozinho dentro do compartimento de bagagem em um avião da United Airlines.

O cão embarcou na cabine em sua “casinha” juntamente com sua dona. A comissária afirmou que o cachorro só poderia ir dentro do compartimento de bagagem que fica acima das poltronas.

Segundo testemunhas, a dona do cão resistiu e mas a aeromoça permaneceu irredutível. Com medo de ser expulsa do avião e ainda sofrer sanções criminais se desafiasse a comissária, a dona cedeu.

Durante o voo, os passageiros ouviram o cãozinho latindo, o que agora presume-se, foi em razão da pura agonia. Não se sabe se o cão morreu sufocado ou pressionado pela movimentação das bagagens durante o voo.

As companhias aéreas cobram pelo transporte de animais na cabine e eles podem ir debaixo do assento, no caso de animais bem pequenos, ou até mesmo no assento ao lado.

Em nota, a United assumiu responsabildade pelo ocorrido e promete providências.

Entretanto, ninguém sabe o nome da comissária (a United tampouco divulgou) para acompanhar o desfecho do caso que somente pode ser um: a demissão sumária dessa funcionária.

Quando é que nós, passageiros, vamos colocar a nossa humanidade acima do valor da passagem e passar a boicotar algumas empresas?

United nunca mais.