Imagine entrar na aeronave, se acomodar no seu assento e esperar um drink para relaxar antes da decolagem e eis que você descobre que a companhia aérea não serve álcool a bordo …

Sim, elas existem – são as chamadas companhias aéreas “secas”(dry airlines). Elas são companhias aéreas que proíbem o consumo de álcool geralmente por motivos religiosos.

A lista é a seguinte:

  • Saudia – Saudi Arabian Airlines (Sky Team)
  • Kuwait Airways (sem aliança)
  • Egypt Air (Star Alliance)
  • P.I.A. – Pakistan International Airlines (sem aliança)
  • Royal Brunei (sem aliança)
  • Iran Air (sem aliança)
  • Jazeera Airways (sem aliança)
  • Iraqui Airways (sem aliança)

A Egypt Air (há controvérsias!), Royal Brunei e Kuwait Airways não servem álcool a bordo, mas permitem que os passageiros tragam a sua própria bebida e tomem drinks durante o voo.

Por outro lado, a Saudia não permite que o passageiro sequer carregue álcool a bordo.

A Malaysia Airlines tem uma política bem peculiar sobre o assunto: em voos com menos de 3 horas de duração – todos os domésticos e internacionais de curta distância – a empresa não disponibiliza álcool a bordo para os passageiros.

Já a Turkish só serve bebidas alcoólicas a bordo nas suas rotas internacionais.

Frequentemente, um bom voo é associado ao álcool, especialmente os de boa qualidade. As companhias aéreas geralmente destacam a qualidade dos vinhos e champagnhes escolhidos especialmente por seus sommeliers que são reconhecidos internacionalmente.

Mas essa visão nem sempre está correta: a Saudia, por exemplo, que tem uma política extremamente restritiva, tem sua primeira classe entre as 20 melhores do mundo (ficou em 14o lugar no Skytrax 2019), com o 5o melhor assento na First. O Ben do One Mile at a Time, por exemplo, já escreveu dois posts com ótimas avaliações da Saudia (clique aqui para ler).

Eu nunca voei em uma companhia aérea “seca”, mas acho que não me incomodaria de voar em uma. E vocês? Se incomodariam com a falta de álcool?