Desde o anúncio da recuperação judicial da Avianca, as pessoas com pontos no programa Amigo se mostram, com razão, preocupadas com o que vai acontecer.

Desde então, já tivemos mais de uma promoção de transferência bonificada na casa dos 100% de bônus e, pelos comentários aqui e em outros blogs, as pessoas não têm tido confiança em mandar pontos para lá.

Eu fiz uma pesquisa de compra com pessoas com pontos no programa Amigo e a cotação que me deram foi completamente fora da caixinha: parecia que nada estava acontecendo com a empresa.

É claro que ninguém quer perder dinheiro, mas impor um valor que não condiz com a real situação da empresa no mercado é, no mínimo, arriscado.

Da minha parte, fiz minhas compras na Livelo, e aproveitei transferência bonificada com 100% e saiu bem mais barato.

E aí vocês me perguntam: por que raios você transferiu pontos para o Amigo depois de tudo que eles fizeram com você e conosco?

Foi justamente para aproveitar as falhas do programa, que eu delineei há exatos dois meses atrás (leia aqui). Ou seja, eu ainda consegui lucrar em cima do programa que deu uma rasteira na gente.

E o que eu fiz? Comprei passagens em executiva saindo com a Turkish de Istambul, onde a taxa de combustível (YQ) ainda está em níveis aceitáveis, para Singapura. Esse trecho sai por 85.100 pontos. Fazendo aquelas contas Livelo a R$ 42,00/milheiro + 100% de bônus, esse trecho saiu por R$ 1.806,00 + taxas (algo em torno de R$ 600).

A volta da Ásia tem que ser, também, escolhida estrategicamente: Hong Kong ainda não permite a cobrança de YQ, apesar de alguns blogs terem noticiado mudanças nessa política em novembro/2018. Fato é que ela ainda não chegou ao Amigo. Daí consegui a volta Hong Kong – Frankfurt com a Lufthansa pelos mesmos 85.100 pontos + cerca de R$ 200,00 em taxas.

Resumindo: consegui pagar cerca de R$ 4.400,00 por dois voos de cerca de 11 horas em executiva, em duas boas companhias aéreas.

O interessante é aque simulei FRA-HKG-FRA com a Lufthansa e YQ + taxas saiu por cerca de R$ 2.400,00! Aí não tem jogo que segure!

Então, a minha estratégia foi a seguinte:

  1. Os voos devem sair entre 85.100/90.100 pontos o trecho saindo da Europa (isso inclui Singapura, Hong Kong e Shanghai);
  2. Para se obter os valores acima, os voos têm que ser diretos;
  3. A ida preferencialmente deve ser com a Turkish, por conta do YQ mais baixo;
  4. A volta é obrigatoriamente via Hong Kong, por conta da ausência de YQ;
  5. Emiti com duas empresas que têm representação no Brasil, caso a Avianca tenha a falência decretada ou saia da Star Alliance, e as empresas não queiram honrar os bilhetes.

E dou a seguinte dica para vocês: tem bastante disponibilidade, inclusive para a alta temporada em dezembro de 2019, janeiro e fevereiro de 2020.

E não se esqueçam que algumas companhias já tiraram a disponibilidade de resgate via Amigo. Então, fiquem de olho para as oportunidades!

Ah, e para quem quer entender a situação da compra de parte da Avianca pela Azul, recomendo fortemente a leitura do texto do Leonardo Cassol no Melhores Destinos: é o melhor texto sobre o assunto publicado até agora. Deixo aqui o link para vocês.