Anteontem, dando uma olhada no feed do meu twitter (@milhasedestinos), me deparei com um tweet patrocinado de uma empresa chamada Grabr. Na publicidade, alguém alegava que tinha ganhado cerca de USD 300 para levar uma encomenda dos EUA para Buenos Aires.

Eu achei que era uma daquelas pegadinhas, mas fui dar uma checada e descobri que a ideia pode ser interessante. Ela funciona da seguinte forma:

Você informa o ponto de origem e destino da sua viagem, além da data que você estará na cidade.

Aí o aplicativo te mostra pessoas que estão querendo que você leve alguma coisa para elas: pode ser cigarros – que na União Europeia custam uma fortuna – bebidas, relógios, eletrônicos – o que quer que seja. E aquela pessoa te paga uma comissão pelo transporte da coisa.

É possível também, você viajar e trazer alguma coisa do exterior para o Brasil. O tal do Fabio está oferecendo USD 69 para quem trouxer um Apple Watch para ele.

O Rafael está oferecendo USD 174 para quem trouxer um iPhone para ele …

Somando os dois – cuja a entrega é no Rio de Janeiro – eu poderia ganhar USD 243 sem fazer esforço em uma viagem para os EUA …

Ou seja, a gente também pode pedir para alguém trazer um produto aqui para nós aqui no Brasil. Mas é claro que a gente tem que ponderar se vale a pena ou não trazer algo para cá por conta fiscalização da Receita Federal no aeroporto e o teto de gastos de USD 500.

E como o Grabr viabiliza o pagamento? Segundo o site, quem leva o produto é quem faz a compra. Simultaneamente, o adquirente também faz um depósito numa conta segura do Grabr. Assim que for confirmada a entrega, a transferência é feita para a nossa conta PayPal.

O Grabr faz uma série de recomendações de segurança, como encontrar em lugares públicos para fazer a entrega.

Uma das coisas que me preocupa é que, caso eu seja a viajante, sou eu quem deve comprar o produto. A explicação do Grabr me parece razoável:

Eu fiquei interessadíssima no Grabr e estou pensando em utilizá-lo na minha próxima viagem. Ainda não decidi se arrisco ou não, mas a minha ideia é levar algo bem barato para o exterior, porque, se der errado, pelo menos o tombo não vai ser grande …

O que vocês acham? Arrisco ou não arrisco? Alguém já usou o Grabr?

É possível baixar o aplicativo para o smartphone e também há o site em português com todas as informações (clique aqui para acessar).