Seguindo os passos da Smiles, Multiplus, Azul e Livelo, o Lifemiles, programa de milhagem da Avianca Internacional, acaba de lançar seu clube de milhas, com mensalidades variando entre USD 10.99 e 129.99 por mês.

Há dois tipos de planos: o Travel the Americas e o Travel the World.

O Travel the Americas oferece três tipos de planos mais baratos:

Já o Travel the World refere-se aos planos mais caros:

Um aspecto interessante é que o bônus só será garantido se o cliente mantiver a assinatura por um ano.

Como o preço é em dólares, vamos fazer as contas em dólares também lembrando o seguinte para os portadores de cartões emitidos no Brasil: os valores variam de acordo com o câmbio do dia do vencimento do cartão de crédito e, acrescente-se ao valor total 6.38% em tributos.

Plano 500: 8.000 milhas/ano ao custo de USD 1.65/milha. Gasto total anual de USD 131.88.

Plano 1.000: 15.000 milhas/ano ao custo de USD 1.60/milha. Gasto total anual de USD 239.88.

Plano 2.000: 28.000 milhas/ano ao custo de USD 1.41/milha. Gasto total anual de USD 395.88.

Plano 3.000: 42.500 milhas/ano ao custo de USD 1.41/milha. Gasto total anual de USD 599.88.

Plano 6.000: 80.000 milhas/ano ao custo de USD 1.39/milha. Gasto total anual de USD 1.115,88.

Plano 8.000: 112.000 milhas/ano ao custo de USD 1.39/milha. Gasto total anual de USD 1.559,88.

Se essa novidade seguir a tendência brasileira, meu instinto diz que teremos três consequências:

  1. a inflação de milhas Lifemiles;
  2.  a subsequente desvalorização da tabela de resgates, e
  3. redução das promoções de compra de milhas (ou dos bônus atualmente dados).

Mas a questão é: vale a pena? Tudo depende do seu perfil de gastos com passagens aéreas.

Por pouco mais de USD 600 é possível adquirir um trecho entre Bangkok e Tóquio na primeira classe da Thai Airways, desfrutando do respectivo lounge (o trecho sai por 50.000 milhas Lifemiles).

Por um pouco menos de USD 1.115,88 é possível ir na executiva da EVA Air entre Nova York e Taipei em um voo de 16 horas tomando champagne Krug (USD 200 a garrafa), comendo muito bem e ainda levando de brinde um amenity kit da Rimowa e um pijama.

Para alguns, esses dois exemplos são irrelevantes, mas para outros, é justamente a motivação para a adesão.

Eu não vou aderir porque já sou gato escaldado. Temo, mesmo, pela desvalorização das milhas com o aumento da tabela de resgates. Por outro lado, dando uma olhada nos comentários do OMAAT, vejo que os americanos não gostam muito dessa ideia de fazer poupança de milhas, o que dá um certo alento.

Para acessar os planos, clique aqui.