Seguindo com nossa programação dessa semana, esse é o terceiro post da série Os Melhores Resgates dos Programas de Milhagem Mais Populares do Brasil. Já falamos do LATAM Fidelidade, do Avianca Amigo e, hoje, o post é dedicado ao AAdvantage da American Airlines.

O AAdvantage já foi considerado o melhor programa de milhagem do mundo. Era fácil de acumular milhas e o custo dos resgates era baixíssimo. Agora, seguindo a deusa Delta, o acúmulo é pífio e a tabela sofreu desvalorizações, mas, ainda assim, é possível encontrar alguns trechos que valem muito a pena. O AAdvantage é membro da Oneworld, o que possibilita resgate com as parceiras British Airways, Iberia, Qatar Airways, Cathay Pacific, Japan Airlines, Qantas, Finnair e LATAM dentre outras. Além disso, o programa tem uma parceria com a Etihad, o que possibilita ótimos resgates com uma das melhores companhias aéreas do mundo. Então, vamos à tabela.

O AAdvantage tem duas tabelas de resgate: uma para voos operados pela American e outra para voos operados pelas parceiras. Como a tabela American tem 4 níveis de resgate, eu vou tratar dos resgates MileSAAver. A tabela das parceiras, por outro lado, é fixa.

Em relação à tabela da própria American, não consigo ver muitas vantagens. A melhor relação custo-benefício em todas as cabines é nos voos entre os EUA e a Ásia. Em econômica são 35.000 milhas para voos que duram, em média 11 – 12 horas ou mais. Na executiva, o resgate dos trechos entre Estados Unidos e Japão/Coreia por 60.000 milhas. É difícil recomendar a primeira classe, que é utilizada nos voos para Hong Kong por doloridas 110.000 milhas.

Vamos tratar da tabela das parceiras – essa, sim, tem grandes vantagens.

Econômica

É possível voar com a Qatar ou Etihad entre Europa e Oriente Médio / Sub-Continente indiano por 20.000 milhas. O sub-continente indiando abrange Índia, Sri Lanka, Nepal e Maldivas, dentre outros. O voo direto entre Londres e Delhi, por exemplo, tem 8 horas de duração. 20.000 milhas é um bom negócio.

Outra possibilidade é voar daqui até o Oriente Médio e, de lá, voar para a Ásia. Para o Japão e Coréia são 22.500 milhas e para os demais países da Ásia, 25.000.

Executiva

Aqui as coisas ficam interessantes. É possível voar da Europa para o Oriente Médio/Sub-Continente da Índia por 42.500 milhas. Mas tem um detalhe: como eu disse anteriormente, na Qatar Airways, a cabine premium dos voos intra-Golfo é denominada de primeira classe.

O AAdvantage permite a emissão de cabines mistas. Assim, é possível emitir Londres – Doha – Muscat, sendo Londres-Doha em executiva e Doha-Muscat na primeira classe sem custo adicional. Isso permite que o passageiro tenha acesso ao espetacular lounge Al Safwa em Doha, exclusivo para passageiros de primeira classe.

Mas essa jogada não é possível com a Etihad, porque nela os voos intra-Golfo em cabine premium são da classe executiva.

Quem gosta de experimentar aeronaves novas, a Qatar usa o A350 nas rotas entre Doha e Singapura, e alguns voos da rota de Londres e Paris. Ao longo do ano, Barcelona, Genebra, Bruxelas, Dublin e Viena serão contempladas com o novo Airbus. O A350 também será utilizado entre Doha e Male, nas Maldivas.

Uma outra recomendação é para os voos entre o Japão e países do sudeste da Ásia, como Singapura e Tailândia operados pela Japan Airlines. São 30.000 milhas em viagens com cerca de 7 horas de duração em uma companhia aérea excepcional.

Também é possível emitir, por 40.000 milhas, passagens em class executiva entre o Japão/Coreia e a Austrália, em voos operados pela JAL ou pela Qantas.

As rotas entre Europa e Oceania também têm alguma vantagem – são 85.000 milhas em dois voos mais longos. Como uma escala é obrigatória, é possível fazê-la no Oriente Médio com a Qatar (não é possível com a Etihad – para ir da Europa para a Oceania com a Etihad é necessária a emissão de 2 trechos), ou na Ásia, com a JAL, Cathay ou Qantas. Considero um bom negócio 85.000 milhas para quase cerca de 21 horas de voo com a Qatar, Cathay ou JAL.

Primeira Classe

Aqui é que fica a jóia da coroa: são 62.500 milhas para voar no The Apartment da Etihad, considerada a melhor primeira classe do mundo. Com o AAdvantage  é possível fazer esse resgate entre Londres e Abu Dhabi, mas o trecho Abu Dhabi – Londres é mais interessante por conta do lounge da primeira classe da empresa em Abu Dhabi.

A Qatar, por sua vez, oferece a primeira classe nas rotas de Doha para Londres e Paris, sendo que esta última tem sempre mais disponibilidade. Neste caso, os passageiros podem desfrutar do Al Safwa em Doha.

Também é possível gastar 50.000 milhas para ir do Oriente Médio para a Ásia em primeira classe. A Qatar oferece voos para Bangkok (atenção que nem todos os voos para Bangkok têm primeira classe) e Guanghzou no seu A380 e a Etihad opera o B789 na rota entre Abu Dhabi e Singapura. É sempre bom dar uma olhada nas aeronaves que a Etihad opera a primeira classe. Na minha opinião, só vale no A380 e no B789. Nas outras aeronaves, a first é muito desatualizada.

Pelas mesmas 50.000 milhas é possível viajar na primeira classe da Qantas entre Sydney e Singapura (e vice -versa). Saindo de Sydney, ainda há o bônus extra de poder passar algumas horas no lounge da empresa, considerado um dos melhores do mundo (clique aqui para ler a avaliação dele que fiz há cerca de um ano)

No programa AAdvantage, a estratégia de utilização das milhas é essencial.

Isto porque as regras de acúmulo atualmente são duríssimas, basicamente dependendo do valor gasto com a passagem. A única possibilidade de acúmulo mais consistente é voando nas parceiras em cabine premium.

Uma outra possibilidade de acúmulo é concentrar seus gastos de cartão de crédito no novo Santander AAdvantage, caso o cliente entenda ser vantajoso canalizar todo o seu gasto em um único programa. Para saber mais sobre ele, clique aqui.

Então, amigos, pensem muito antes de torrar 30.000 milhas para ir do Brasil aos EUA em econômica.

Espero que vocês tenham gostado!

Para ler os demais posts da série, clique aqui.