A Joon, a companhia aérea do grupo Air France/KLM está prestes a desaparecer um ano após o seu lançamento. O presidente do grupo, Ben Smith, decidiu por fim à aventura da companhia híbrida criada para atender aos milennials – com preços mais baratos e conectividade de ponta – para focar mais na Air France.

A Joon foi criada para operar em rotas deficitárias que a Air France havia anteriormente voado e em cidades que não são grandes hubs.

Entretanto, o preço do bilhete era um pouco mais barato do que aquele praticado pela Air France e, até agora, a companhia não obteve lucro. Em termos de preço, a empresa não conseguiu competir com a grande rival das low-cost, a Norwegian.

A decisão ainda não foi levado ao conselho, mas ao que tudo indica, é uma questão de tempo até a decisão ser formalizada. Os 550 funcionários da empresa serão realocados para a Air France.

Enquanto isso, os voos continuam sendo operados e comercializados normalmente.

Para ler o artigo no Le Figaro, clique aqui.

Quanto aos A330-neo da TAP, sinto informar que a sua vinda para o Brasil acaba de ficar mais distante.

A empresa anunciou hoje mais dois destinos norte-americanos a serem operados a partir de Lisboa: Washington Dulles e Chicago. A empresa já voa para Nova York, Newark, Miami e Boston.  David Neeleman havia dito que acredita que a TAP possa ter presença em 10 destinos dos EUA – com esses dois, já serão 6.

Em 1o de junho começam as operações entre Lisboa e Chicago, e no dia 16 para Washington Dulles. Ambos os destinos serão servidos, inicialmente, 5 vezes na semana com as novas aeronaves A330-neo.

A TAP nunca escondeu que a prioridade dos novos aviões seria o mercado norte-americano. Com o anúncio de dois destinos adicionais, acredito que nós demoraremos mais a ter o A330-neo cruzando os ares brasileiros.

OBS: O leitor GEO informou que a TAP repetidas vezes disse que o primeiro destino do A330neo seria Guarulhos. Espero, então, que mantenham a palavra!

OBS2: Confirmado o A330neo para IAD e ORD.

Nós aqui seremos o último país a voar com o A340 da empresa portuguesa – o que demonstra que estamos no fim da fila do pão.