Estou pesquisando preços para passar uns 10 dias na Europa em janeiro. É claro que estou ciente que é época de alta temporada e, naturalmente, os preços das passagens estão inflacionados.  Além disso, é impossível emitir algo com milhas a essa altura do campeonato. Até aí nada demais.

Para partida do Rio de Janeiro no dia 12 de janeiro com retorno em 23 de janeiro com as empresas da Oneworld, o Google Voos me mostra os seguintes preços em econômica:

Como vocês podem ver, a média está em R$ 4.000,00, (com Frankfurt a R$ 4.306,00 e Paris a R$ 4.130,00) sendo que Madri está um pouco mais barato.

Agora, vejam as mesmas datas em voos LATAM para Frankfurt, com conexão em São Paulo:

 

Gente, esses preços são para a classe econômica!!!!

Aí eu tive a curiosidade de ver esse voo de R$ 8.269,00 para Frankfurt, simplesmente porque não consegui acreditar no que estava vendo. Procurei direto no site da LATAM. O voo sai a R$ 7.038,00 se eu voar para Congonhas e pegar um táxi para Guarulhos ou se eu quiser esperar uma conexão de 5 horas em Guarulhos. A conexão de 2 horas aumenta a passagem em R$ 1.000,00.

Dei uma olhada na ocupação da econômica desse voo nesse dia no Expert Flyer e o mapa de ocupação é esse aqui (os assentos em azul estão ocupados; os brancos, livres e os marcados com x estão bloqueados – são os primeiros das cabines e os da saída de emergência, que têm mais espaço para as pernas e custam mais caro e ainda não foram vendidos):

Dá para perceber que há uma média de ocupação de cerca de 30%!

Nesse mesmo dia, a British Airways e a Lufthansa estão cobrando R$ 4.306,00 e R$ 4.696,00, respectivamente. Sendo que a Lufthansa oferece voo direto com um serviço infinitamente superior e a British estará operando com um B787 novíssimo entre Rio e Londres,

Por cerca de R$ 1.000,00 reais a mais do que a LATAM está cobrando, é possível ir de premium economy na Lufthansa:

Eu gostaria muito de compreender a estratégia da LATAM. Frankfurt foi um dos destinos que eu vi e decidi postar. Mas para outros destinos da Europa o problema é o mesmo: preços astronômicos, mais caros do que a empresa oferece na promoção de business class. Depois a empresa posta que a taxa de ocupação está baixa porque a economia está em recessão. Fica aqui a minha sugestão: baixem o preço que, de repente, vocês resolvem o problema.