O presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves, deu uma entrevista para o Expresso, um semanário português, que transcrevo abaixo editadamente e em itálico:

Presidente-executivo da TAP desde Fevereiro, Antonoaldo Neves revelou em entrevista ao Expresso, publicada este sábado, que a empresa terá 15 novos aviões e 15 novas rotas no próximo ano. E frisou que o potencial da companhia aérea “é muito maior” do que imaginava. Se em 2014, quando decorria o processo de privatização, a companhia tinha cerca de 70 aviões, tem margem para “poder chegar a 130 aviões até 2025. Isso é dobrar o tamanho da empresa em dez anos”, revelou. 

“Pontualidade da TAP é vergonhosa”

Os cancelamentos de voos por falta de tripulação “acabaram em Agosto”, “não há mais”, disse Antonoaldo Neves. “Uma companhia aérea, para operar de forma adequada, só pode ter no máximo 1% de cancelamentos. O ideal é 0,75%”, sublinhou para depois revelar que a TAP “chegou a ter 3% por dia”. “Houve incapacidade da TAP de colocar a sua máquina de formação de pilotos a funcionar. Treinar um piloto é um processo muito complexo, é preciso tirá-lo da sua actividade durante meses. Precisámos de treinar 44 pilotos por mês e não conseguimos chegar a esse número”, explicou.

Quanto à pontualidade, apesar das medidas já tomadas, ainda há trabalho a fazer. “A nossa ambição é ter uma empresa que está acima dos 80% de pontualidade. E a nível de cancelamentos, a minha ambição é ter 99% no mínimo de regularidade, já estou lá. Mas na pontualidade estamos muito longe, abaixo dos 50%, estou muito mal. É uma pontualidade vergonhosa”, disse Antonoaldo Neves. 

Para o conseguir, “tomamos medidas muito importantes. Em agosto tivemos dois aviões reserva no médio curso e um no longo curso, no ano passado não tínhamos isso. Investimos muito na contratação de 300 comissários e isso leva tempo na formação. Fizemos uma gestão muito forte no aeroporto. Tínhamos 100 pessoas no aeroporto de Lisboa no ano passado, este ano tivemos 210. Assinamos um novo contrato com a Groundforce e o volume de minutos de atraso por conta da Groundforce em Agosto foi muito menor do que o de 2017”, resumiu. 

As novas rotas são: Tel Aviv, Basileia, Dublin, Tenerife, Nápoles, Montreal, Chicago, Washington, São Francisco, Conacri, Porto-Bruxelas, Banjul, Porto-Lyon, Porto-Munique e Newark (diário).

Para Israel, a TAP vai operar os voos diariamente com um A321 Long Range, com capacidade para 168 passageiros, com partida da capital portuguesa às 14h20 e chegada a Tel Aviv às 21h30. De Telavive, o voo parte às 5h05, chegando em Lisboa às 9h.

A rota para Dublin terá dois voos diários com o A319 e A320, que têm 144 e 168 lugares,  respectivamente. As saídas de Lisboa serão às 7h05 e às 14h e chegada à capital irlandesa às 9h50 e às 16h45. Os voos de regressão estão programados para as 10h35 e 17h30, chegando ao aeroporto da Portela às 13h15 e 20h10, respectivamente.

A rota de Basileia, na Suíça, também será operada duas vezes por dia em aviões A319 e A320, com partidas de Lisboa às 6h40 e 15h50 para chegar a Basileia às 10h20 e 19h30. Os voos de regresso estão agendados para as 11h05 e 20h15, chegando à capital portuguesa às 13h e às 22h10.

Clique aqui para ler a entrevista na íntegra.