Nessa segunda parte do tutorial AAdvantage, vou comentar os diferentes requisitos de qualificação para atingir as categorias de status no programa.

Para atingir os diferentes níveis é necessária a combinação de milhas elite qualificáveis (EQMs) + gasto em dólares com passagens aéreas (EQDs) na AA ou nas parceiras. Ao invés de EQMs, o passageiro também pode se qualificar voando um mínimo de segmentos qualificáveis (EQSs) com a AA ou com as parceiras. Mas o gasto mínimo em dólares para atingir cada categoria é essencial!

Vejam que quanto maior o status, maiores são os requisitos. Para atingir Gold, é necessário o gasto mínimo de USD 3.000/ano + 25.000 milhas ou 30 EQSs. Já para atingir ExP é necessário o gasto mínimo de USD 12.000 ao ano + 100.000 EQMs ou 120 EQSs.

EQMs (Elite Qualifying Miles)

As EQMs são as milhas de qualificação elite, que não podem ser confundidas com as milhas resgatáveis (utilizadas para resgate de bilhetes). As EQMs são necessárias para mudar o seu status no programa. Para Ruby são necessárias 25.000; Platinum, 50.000; Platinum Pro, 75.000 e Executive Platinum, 100.000.

Só é possível conseguir essas milhas voando com a AA ou com as parceiras. A quantidade de EQMs que você recebe por trecho depende da distância percorrida e da classe tarifária do seu bilhete.

A tabela abaixo, usada para voos com o código AA da American Airlines mostra que quanto mais caro o bilhete, mais EQMs por milha voada o passageiro ganha.

Vamos a um exemplo: de São Paulo para Miami são, aproximadamente, 4.000 milhas. Vou fazer os cálculos com esse número porque fica mais fácil.

Então, quem voa São Paulo – Miami na primeira classe ou na executiva cheia (tarifa J), ganha 3 EQMs por milha voada, ou seja, 12.000 EQMs (4.000 x 3). Já aquele passageiro que comprou a econômica básica – a mais barata das tarifas, só vai ganhar 2.000 EQMs (4.000 x 0,5).

Para cada companhia aérea parceira da Oneworld, o AAdvantage tem uma tabela específica (clique aqui para acessar as diferentes tabelas).

Abaixo está a tabela da British Airways (dos voos com código BA):

Vejam que a voar na primeira classe da British só garante 1,5 EQM por milha voada, valor idêntico para quem voa na executiva e na econômica premium em qualquer das tarifas pagantes. Então, em termos de EQM, para voar British, não vale a pena gastar uma fortuna com a first ou business: você consegue a mesma coisa voando na premium economy.

EQSs (Elite Qualifying Segments)

Os EQSs são os trechos voados. É possível, qualificar para status via EQSs ao invés de EQMs. São necessários 30 trechos para atingir Gold, 60 para Platinum, 90 para Platinum Pro e 120 para Executive Platinum.

Esse esquema de EQS é bom para quem viaja muito em voos curtos que custam caro (porque além dos segmentos é necessário o gasto mínimo). Para um brasileiro que viaja muito no Brasil com a LATAM, cada trecho voado, independentemente da tarifa paga, equivale a um trecho:

Essa afirmativa parece óbvia, mas não é. Se vocês olharem a tabela da própria AA que eu coloquei nos EQMs, vocês vão ver que a tarifa econômica básica (B) só pontua 0,5 trecho por trecho voado!

EQDs (Elite Qualifying Dollars)

Todas as legacy carriers americanas adotaram o sistema revenue para status, ou seja, além das EQMs ou dos EQSs, é necessário que os clientes tenham um gasto mínimo para cada nível de status. Aliás, a Air France, a Lufthansa, a SWISS também vão adotar o mesmo padrão ainda esse ano. Dizem que a British e a Iberia vão pelo mesmo caminho …

Esse é o calcanhar de Aquiles do programa porque, a Delta e a United não fazem a exigência de EQDs para membros do programa residentes fora dos EUA. Infelizmente, a AA não adotou a mesma política e manteve o requisito para todos os passageiros.

Para Gold, são necessários gastos na ordem de USD 3.000; Platinum USD 6.000, Platinum Pro USD 9.000 e Executive Platinum USD 12.000.

Esse gasto é na aquisição da passagem aérea em si, sem incluir taxas aeroportuárias e/ou governamentais. No momento em que você faz a reserva com a AA, ela já avisa quantos EQMs, EQDs e EQSs aquela passagem garante ao passageiro. Ou seja: se você for voar exclusivamente com a AA, fazendo as reservas no site da AA, você terá  que atingir esses valores mínimos para ter status.

Mas há um meio de amenizar essa exigência que é voando com as parceiras. Então, vamos dar uma olhada de novo na tabela da British Airways para que eu possa explicar para vocês.

Vamos a um exemplo verdadeiro: no início do ano, eu vi uma tarifa muito barata da BA em premium economy entre Copenhagen e Los Angeles – cerca de R$ 2.200,00.

O trecho entre Copenhagen e Londres foi feito em econômica tarifa K (aproximadamente 610 milhas – 1220 milhas ida e volta). A tarifa K me garante 10% de EQDs por milha voada: logo, ganhei 122 EQDs.

E trecho entre Londres e Los Angeles, em premium economy – 5.450 milhas o trecho, cerca de 10.900 ida e volta. Em premium economy eu ganho 20% de EQDs por milha voada, o que me dá cerca de 2.180 EQDs.

No total, eu amealhei cerca de 2.300 EQDs, gastando R$ 2.200,00 (cerca de 700 USD). Ou seja, eu ganhei 3x mais do que gastei.

Uma ida e volta do Rio para Singapura dão cerca de 25.000 milhas voadas. Voando na premium economy da BA, são garantidos cerca de 5.000 EQDs e 37.500 EQMs. Nada mal …

O mesmo raciocínio pode ser aplicado para a tabela da LATAM: tanto a executiva como a premium economy dos voos na América do Sul operados em A320 também garantem 20% de EQDs por milha voada.

Uma ida e volta São Paulo – Bogotá com escala em Santiago tem cerca de 8.500 milhas, o que dá 1.700 EQDs (20% de 8.500). Essa passagem sai por cerca de R$ 2.600,00. Quem tem OAB tem desconto nesse valor. Nada mal para um mileage run de fim de semana …

Eu sei que a vibe hoje no mundo das milhas no Brasil é comprar ou transferir milhas. Poucos são os chamados road warriors, as pessoas que acumulam milhas e ganham status voando mesmo. Definitivamente, o AAdvantage não é um programa para quem não voa.

 

Espero que vocês tenham aprendido um pouco mais sobre o AAdvantage com esse post.

Amanhã tem mais!

Para ler o primeiro post da série, clique aqui.