Gente, não se esqueçam que hoje é o último dia para transferir pontos Livelo para o Lifemiles na proporção 1:1. A partir de amanhã, a proporção será de 1,3:1.

Não aconselho ninguém a comprar pontos Livelo hoje para a transferência, já que a empresa tem 48 horas para creditar os pontos na conta. Então, é melhor não correr o risco.

Mas quem quer esticar os pontos, pode optar pelo pontos + dinheiro, em que o milheiro sai a R$ 40,90 – o que dá aproximadamente 43% de desconto do preço regular de R$ 70,00. A Livelo só fez uma promo esse ano com desconto de 50%. Então, 43% off é o melhor valor que se pode ter fora das promos.

Na última vez que transferi pontos entre os dois programas, cerca de um mês atrás, os pontos caíram imediatamente – tipo 1 minuto depois da confirmação da compra. Fiquei muito bem impressionada como os departamentos de TI das duas empresas estão bem afinados.

O Lifemiles tem algumas vantagens – não cobra taxa de combustível, o resgate é feito online e o call center funciona bem. Mas também tem seus problemas – não enxerga algumas companhias aéreas e não monta trechos pelo call center (o que está online é o que vale).

O programa tem alguns valores muito atrativos:

Econômica

Os melhores resgates são aqueles que exigem menos de 30.000 milhas por trecho em econômica para voos de longa distância. Entre a Europa e Ásia Central (Índia, Sri Lanka, Nepal e Maldivas, por exemplo) são necessárias 25.000 milhas, em voos com mais de 8 horas de duração.

Entre o Norte da Ásia (Coreia, Japão, China, Taipei) e a Oceania são exigidas meras 20.000 milhas, e entre o Sul da Ásia e a Oceania, o passageiro precisa de 25.000 milhas.

Executiva

Entre Singapura e Japão/Coreia, as rotas  operadas pelas excelentes ANA All Nippon Airways /Singapore Airlines e Asiana, o custo é de 36.000 milhas. É possível voar para o Japão a partir de Bangkok, com a Thai, pelo mesmo valor.

Da Ásia para a Oceania, o custo é de 40.000 milhas.

Também é possível voar na executiva Lufthansa da Europa para diversas cidades na Índia e para Male, nas Maldivas, por 45.000 milhas.

Um trecho inusitado para se utilizar 45.000 milhas Lifemiles é o Viena – Colombo, no Sri Lanka. A empresa austríaca, parte do grupo Lufthansa, é conhecida pelo seu serviço de catering.

Também vejo vantagem nas 75.000 milhas exigidas entre Estados Unidos e Taipei (Manila e Hong Kong também) pela EVA Air. São 16 horas de voo em um produto muito bom e o serviço, excelente.

Primeira

A Thai opera a primeira classe entre Bangkok – Tóquio/Osaka por 50.000 milhas, o que permite frequentar o famoso lounge da primeira classe, com direito à massagem Thai gratuita. Além disso, em alguns voos dessas rotas são operados pelo A380, outras pelo B747.

Também entre Bangkok e Sydney é possível viajar na primeira classe da Thai por 60.000 milhas. É uma ótima relação custo-benefício e, em alguns voos, é possível desfrutar da novíssima First no B747.

Para aqueles que estão com muita vontade de voar na primeira classe da Lufthansa mas não têm as milhas necessárias para ir do Brasil para a Europa, por 60.000 milhas é possível ir de Frankfurt para Nova Delhi no A380 da companhia alemã.

É possível voar entre a América do Norte e o Japão na first da ANA por 90.000 milhas, o que é uma ótima relação custo-benefício.

Conclusão

Eu vou transferir meus pontos hoje para a Livelo, já que eu não tenho ideia de como o Amigo vai precificar os trechos a partir do dia 17. No momento, o Lifemiles é a melhor opção de transferência da Livelo para a Star Alliance.