Já tem um tempinho que eu não escrevo um post de conteúdo diferente de promos, cartões de crédito, tabelas, enfim … um post mais leve. Então, me peguei pensando qual aspecto da experiência do passageiro, ou como o povo tuíta #paxex, é o fator decisivo para decidir em qual companhia aérea eu vou gastar minhas milhas? O hard product ou o soft product? E dentro dessas categorias, que aspectos são mais relevantes na minha escolha?

Bom, em primeiro lugar, é bom esclarecer a diferença entre hard e soft product. Hard product é tudo que está fisicamente conectado ao avião: assento, luz, tela de entretenimento, banheiros, ambientação, wi-fi, etc.

Já o soft product é todo o resto que pode ser alterado em cada voo e inclui o serviço de bordo (comidas, bebidas, atendimento dos comissários, etc.), tudo o que é distribuído aos passageiros (amenity kits, fones de ouvido, cobertores, travesseiros, etc.), qualidade do entretenimento de bordo, etc.

Perceberam que a tela de entretenimento é hard product, mas o entretenimento de bordo (filmes, séries, música, games, etc) pode variar de um voo para o outro, sendo, portanto, soft product.

É claro que há áreas sombrias em que é difícil definir – os ground services (motorista,   terminais, lounges) poderiam ser inseridos nessa distinção ou seriam uma categoria à parte? A ser debatido …

Depois de muito pensar, cheguei à seguinte conclusão: para mim, o hard product é mais importante do que o soft product. Sabem por quê? Por que a primeira coisa que eu olho é a configuração da cabine. Se é 2-3-2 em business de longa distância, eu não emito. A minha privacidade depende diretamente da quantidade de assentos que há em uma fileira. Pagar caro (usar grande quantidade de milhas) para mim só faz sentido se eu viajar confortavelmente e com uma certa privacidade. Além disso, é muito chato passar por cima dos outros ou sentir outras pessoas passando por cima de mim durante a noite.

Ou seja, a configuração é a coisa mais importante, e ela está diretamente vinculada ao assento.

Quanto ao soft product, para mim, o mais importante é a qualidade do catering. Passar fome em voo por conta de comida ruim é o fim da picada, assim como ter uma carta com vinhos questionáveis também não colabora.

Em segundo lugar, o amenity kit domina a minha escolha. Rimowa ou não Rimowa? 😉  Eu procuro saber tudo sobre o kit oferecido e fico felicíssima em recebê-lo quando sei que é bom. Uso diversos no meu dia a dia para diferentes funções: estojo de caneta, bolsa de maquiagem, e por aí vai.

Vou dar dois exemplos de escolha do #paxex:

1 – QSuites da Qatar. Não precisa explicar, né?

2 – Business class da EVA Airways: a configuração é 1-2-1 com assento em espinha de peixe – bem razoável para a classe executiva, acrescida da excelente reputação de catering. A gente bebe Krug e recebe Rimowa … (clique aqui para ler).

E para vocês? O que é mais importante na #paxex?